Departamento de Comunicação

O Palmeiras foi à cidade de Sucre, na Bolívia, no Estádio Olímpico Patria, para enfrentar a equipe do Independiente Petrolero-BOL pela 4ª rodada da fase de grupos da CONMEBOL Libertadores 2022, na noite desta terça-feira (03). O Verdão venceu por 5 a 0, gols de Raphael Veiga, três vezes (aos 16, de pênalti, aos 21 do primeiro, e aos 14 do segundo), um de Rafael Navarro (aos 16 da etapa final) e outro Murilo (aos 28 do segundo tempo). Com o resultado, o Verdão garantiu a classificação antecipada às oitavas de final com duas rodadas de antecedência, chegando à fase de mata-mata pela sexta vez seguida, tendo fechado com a melhor campanha as edições de 2018, 2019 e 2020 (ou seja, caminha para a quarta vez nos últimos cinco anos).

Clique aqui para ver a ficha técnica, estatísticas e tudo sobre o jogo!

Avassalador. O Verdão chegou ao seu quarto triunfo em quatro jogos na edição atual da Libertadores (100% de aproveitamento) e, com isso, está assegurado na primeira posição do grupo A, com 12 pontos – o Emelec-EQU é o segundo colocado, com cinco pontos e não alcançaria os pontos do Verdão independentemente de eventuais combinações de resultados. Além disso, são 20 bolas na rede até aqui – já é o maior número de gols do Verdão em uma fase de grupos de Libertadores, ao lado da edição 2021 (mas essa ainda tem dois jogos em disputa) – 20 gols estes que, curiosamente, já são o recorde geral dentre clubes brasileiros. Considerando qualquer nacionalidade, o Verdão ainda tem dois jogos para igualar ou até superar River Plate-ARG, que fez 21 gols em 2020 (ou seja, apenas um gol a mais do que o Verdão).

Com os cinco gols marcados, o Maior Campeão do Brasil também subiu no ranking de times que mais fizeram gols pela Libertadores em todos os tempos. Antes de entrar em campo, estava na sétima posição, com 407 gols, atrás do Cerro Porteño, do Paraguai, com 409. Agora, o Alviverde saiu de campo com 412 gols (em 213 jogos) e superou o Olimpia, passando a assumir a sexta posição – só está atrás do Olimpia-PAR (5º, com 466 gols, em 328 jogos); Boca Juniors-ARG (4º, com 473 gols, em 311 jogos); Peñarol-URU (3º, com 558 gols, em 372 jogos); Nacional-URU (2º, com 561 gols, em 404 jogos); e River Plate-ARG (621 gols, 1º, com em 376 jogos). Dentre os brasileiros, o Verdão, com esses 412 tentos, é o time com mais gols na Libertadores, seguido do Grêmio, com 318 gols.

Com esta vitória, o Maior Campeão do Brasil emplacou o seu 18º jogo invicto como visitante – um recorde na história do torneio (agora são 13 vitórias e cinco empates). A última derrota palestrina foi para o San Lorenzo-ARG, por 1 a 0, em Buenos Aires (ARG), pela fase de grupos em 2019 – os números não contabilizam o duelo com o Santos na final de 2020, no Maracanã, e contra o Flamengo na final de 2021, no Estádio Centenário de Montevidéu, por terem sido disputadas em campo neutro. De quebra, com estes 5 a 0, o Alviverde também impôs sua nova maior goleada como visitante na história da Libertadores, superando os 4 a 0 contra o Melgar-PER em 2019 e contra o Deportivo Táchira em 2022.

E se no cenário visitante o Palmeiras ampliou o recorde geral da história do torneio, com 18 jogos invictos, seguido do River Plate (12 duelos sem perder fora de casa entre 2018 e 2019), o clube superou o seu maior número de jogos invictos pela Libertadores independentemente do mando de campo: chegou, com este duelo contra o Independiente Petrolero-BOL, a 12 partidas invictas seguidas pelo Continental, superando a marca de 11 jogos invictos na edição de 2020, a mais longeva até então. No geral, a última vez que o Palmeiras perdeu um jogo da Libertadores foi em 18/05/2021, para o Defensa y Justicia-ARG, no Allianz Parque, por 4 a 3, pela primeira fase daquela edição (da qual o Alviverde saiu campeão).

Desde seu último revés, em 2021, pela ordem, o Palmeiras superou o Universitário (6 a 0 em casa), a Universidad Católica, duas vezes (ambas por 1 a 0, em casa e fora); o São Paulo (um empate fora, por 1 a 1, e uma vitória por 3 a 0 em casa); o Atlético-MG (empates por 0 a 0, em casa, e 1 a 1, o Mineirão); venceu o Flamengo (2 a 1 em campo neutro no jogo que valeu o título de 2021); já pela Libertadores de 2022, bateu o Deportivo Táchira-VEN (4 a 0 fora); goleou o Independiente Petrolero-BOL (8 a 1 em casa); o Emelec-EQU (2 a 1 fora de casa); e agora o Independiente Petrolero-BOL (5 a 0 fora de casa). Desta forma, são nove vitórias e três empates nestes 12 jogos invictos. Em seus últimos 37 jogos de Libertadores, o Verdão perdeu apenas 3, somando 28 vitórias e seis empates.

PALMEIRAS SE MANTÉM 100% EM SUCRE-BOL

Mesmo já tendo ido a campo por 14 vezes na Bolívia em sua história (com retrospecto favorável: sete vitórias contra cinco reveses, além de dois empates), o Palmeiras jogou em Sucre apenas duas vezes já com esta. Com o triunfo, o Verdão se manteve com 100% de aproveitamento na cidade boliviana, pois, na outra vez que esteve no local (curiosamente justamente no estádio Olimpico Patria), o Verdão venceu do Universitario de Sucre-BOL por 1 a 0, com gol de Marcos Assunção, pela Copa Sul-Americana.

PALMEIRAS REFORÇA BONS NÚMEROS CONTRA BOLIVIANOS

Contra equipes bolivianas, em toda a história, o Verdão disputou 23 jogos, obtendo 16 vitórias, dois empates e tendo sido superado em apenas cinco ocasiões – foram 65 gols marcados contra 17 sofridos.

Já pela Libertadores, a história jamais registrou um empate do Alviverde ante equipes da Bolívia: foram 16 jogos, com 12 vitórias esmeraldinas e quatro triunfos dos bolivianos (45 gols marcados e 12 sofridos).

Pela Libertadores, os bolivianos que o Maior Campeão do Brasil já enfrentou, além do Independiente Petrolero-BOL, foram o Jorge Wilstermann, o Club Deportivo Municipal, o Club Bolívar, o The Strongest e o Real Potosí.

100% NA EDIÇÃO ATUAL, VERDÃO PODE TER A MELHOR CAMPANHA DA 1ª FASE PELA 4ª VEZ NOS ÚLTIMOS 5 ANOS

Com 100% de aproveitamento – 12 pontos em 4 jogos (vitórias sobre o Deportivo Táchira-VEN, por 4 a 0 fora; Independiente Petrolero-BOL, por 8 a 1, em casa; Emelec-EQU, por 3 a 1, fora; e Independiente Petrolero-BOL, por 4 a 0, fora), o Palmeiras pode ter a melhor campanha da fase de grupos pela quarta vez nos últimos cinco anos. Foi assim em 2018, 2019 e 2020.

Na atual edição, somente Flamengo e River Plate-ARG também estão 100% (venceram os três primeiros confrontos desta etapa da competição – jogam pela quarta vez, como o Verdão hoje, na quarta e na quinta-feira, respectivamente), ostentando os mesmos nove pontos. Mesmo quando estava empatado em número de jogos, o Verdão ainda assim levava vantagem no saldo de gols, e agora ainda mais – incríveis 17 gols de saldo, marcando 19 vezes e tendo sido vazado apenas duas vezes (contra cinco gols de saldo do Flamengo, que balançou as redes oito vezes e foi vazado três; e quatro gols de saldo do River Plate-ARG, que fez cinco gols e sofreu um).

Dentre os clubes brasileiros, o recorde de maior número de gols na fase de grupos da história do torneio já pertence ao Maior Campeão do Brasil: em 2021, o Alviverde anotou 20 gols nas seis partidas da fase de grupos – recorde este dividido com o Cruzeiro, que atingiu o feito em duas ocasiões: a Raposa marcou 20 gols nas edições de 1976 e 2011 nesta etapa da competição.

PLACAR DE 8 A 1 ESTÁ ENTRE AS 10 MAIORES DA HISTÓRIA DA LIBERTADORES

Nesta noite, o Verdão fez o segundo jogo de sua história contra o Independiente Petrolero-BOL e venceu por 5 a 0. No primeiro duelo, goleou por incríveis 8 a 1: além de aquela ter sido a nova maior goleada do Palmeiras pela Libertadores, o resultado também está entre as dez maiores vitórias da história da Libertadores de forma geral, na sexta posição, atrás só dos 8 a 0 do Blooming-BOL sobre o Deportivo Italia-VEN (1985), dos 8 a 0 do Santos diante do Bolivar-BOL (2012), dos 8 a 0 do River Plate-ARG sobre o Jorge Wilstermann-BOL (2017), de outro 8 a 0 do River, mas desta vez diante do Binacional-PER (2020); dos 9 a 1 do Peñarol-URU sobre o Everest de Guayaquil-EQU (1963), dos 9 a 1 do Santos ante o Cerro Porteño-PAR (1962); dos 11 a 2 do Peñarol-URU diante do Valencia-VEN (1970); e dos 9 a 0 do River Plate-ARG sobre o Universitário-PER (1970) e também 9 a 0 do Peñarol-URU sobre o The Strongest-BOL (1971).

NOS 8 A 1, OS SETE GOLS NO SEGUNDO TEMPO RENDERAM RECORDE AO VERDÃO NA LIBERTADORES

Com sete gols só no segundo tempo, o Palmeiras também se tornou ainda o recordista de mais gols em um único período do jogo, ao lado do Santos contra o Cerro Porteño-PAR, em 1962 (venceu por 9 a 1, marcando sete em um só tempo); do Peñarol-URU sobre o The Strongest-BOL, em 1971 (triunfou por 9 a 0, sendo sete em um período) e também do River Plate-ARG em 2020. 8×0 Binacional, em 2020 (goleou por 8 a 0, com sete em uma só etapa).

TRADIÇÃO NA LIBERTADORES

Brasileiro mais vezes campeão (três títulos), com mais finais disputadas (seis), com mais edições disputadas (22), com mais jogos (214), vitórias (121) e gols no geral (412); mais jogos como visitante (106), vitórias como visitante (46) e gols como visitante (165); e mais jogos como mandante (104), mais vitórias como mandante (72) e gols como mandante (241), o Palmeiras foi o primeiro time brasileiro a chegar à final da Libertadores, logo em 1961, sua primeira disputa (o torneio iniciou-se em 1960) – na ocasião, o Verdão enfrentou o Peñarol-URU na grande decisão e ficou com o vice-campeonato. O Alviverde chegou à final também em 1968 (vice), 1999 (campeão), 2000 (vice), 2020 (campeão) e 2021.

PRIMEIRO PAULISTA A DESPACHAR OS 3 RIVAIS DO ESTADO NA LIBERTADORES

A noite do dia 17 de agosto de 2021 foi inédita para os torcedores do Palmeiras. Depois de empatar com o São Paulo por 1 a 1 no estádio do Morumbi pelo jogo de ida das quartas de final da CONMEBOL Libertadores, o time comandado por Abel Ferreira teve uma atuação perfeita no Allianz Parque, venceu o rival por 3 a 0 e garantiu uma vaga na semifinal pelo segundo ano consecutivo. Com isso, o Alviverde quebrou um tabu, já que nunca havia eliminado o Tricolor em mata-mata de Libertadores, e ainda se tornou o primeiro clube paulista a superar os três rivais estaduais na história da competição (Corinthians, nas quartas de 1999 e nas semis de 2000, Santos na final de 2020 e São Paulo nas quartas de 2021).

ASPECTOS INDIVIDUAIS

Com o hat-trick na partida (seu primeiro pelo Verdão), Raphael Veiga se isolou como maior artilheiro do Palmeiras na Libertadores: ele entrou em campo com 11 gols pela competição somando todas as participações pelas quais atuou com a camisa palmeirense. Esses 11 gols o deixavam, na lista geral da história da artilharia palmeirense da Libertadores, atrás apenas do ex-meia Alex (12 gols) e Rony (13). Entretanto, ao marcar três vezes, o meio-campista surpreendeu e chegou a incríveis 14 gols – detalhe é que Rony perseguiu por muito tempo essa artilharia e, só no último jogo, conseguiu desbancar Alex, que ocupou a liderança dessa lista por mais de duas décadas; mas o reinado de Rony durou só um jogo.

Veiga, aliás, não perde pênalti! Jamais desperdiçou uma cobrança pelo Verdão, seja no tempo regulamentar ou em disputas eliminatórias. Foram, com a de hoje (em seu primeiro gol), 22 oportunidades, sendo 20 durante os 90 minutos de jogo e duas em decisões por penalidades máximas. Antes dessa, última cobrança convertida aconteceu no duelo com o Ituano, no Allianz Parque, em São Paulo-SP, pelo Campeonato Paulista.

E quando chegou aos três gols na partida, de quebra, Veiga chegou a seis gols pela Libertadores 2022, igualando Rafael Navarro no topo da artilharia geral do torneio – Navarro era, até então, artilheiro isolado da competição. Mas Navarro logo tratou de fazer um gol (o quarto da partida – Murilo ainda completaria o placar com mais um) e, com isso, o camisa 29 chegou a sete gols na Libertadores, tirando o gostinho de Veiga de ser artilheiro da competição que foi por alguns minutos, e passou novamente a estar isolado. Vale lembrar que, ao longo de sua trajetória na mais importante competição das Américas, o Alviverde já contou com cinco artilheiros: Tupãzinho (1968, com 11 gols), Lopes (em 2001, com nove gols), Marcinho e Washington (ambos em 2006, com cinco gols cada um), e Borja (em 2018, com nove gols).

Marcos Rocha também atingiu um feito incrível. Após completar 200 jogos na partida anterior, contra a Juazeirense, pela Copa do Brasil, Marcos Rocha agora conseguiu um recorde: ao ter entrado em campo hoje e fazer sua estreia na Libertadores 2022, chegou a 10 edições seguidas de Libertadores (2013 a 2017 pelo Atlético-MG e 2018 a 2022 pelo Palmeiras), se tornando o único brasileiro a atingir tal feito na história do torneio.

No geral com essas 10 edições, Rocha só fica atrás do paraguaio Néstor Camacho, do Olimpia-PAR, que somou 11 edições consecutivas. Aliás, ao ter atingido essas dez edições, o camisa 2 também passou a estar entre os brasileiros que mais disputaram a competição no total, ao lado de Danilo (Corinthians e São Paulo), Jean (Palmeiras, Fluminense e São Paulo), Fábio (Fluminense, Cruzeiro e Vasco da Gama), Fábio Santos (Corinthians, Atlético-MG, Grêmio e São Paulo) e Réver (Atlético-MG, Flamengo, Internacional, Grêmio e Paulista de Jundiaí-SP), todos também com 10.